03 dezembro 2006

Há tempos que vos queria falar nisto...

Há alguns anos, Foi construida na Universidade de Aveiro, uma pista de velocípedes, junto à estrada que atravessa e contorna o campus!

O mais curioso é que nunca vi lá andar nenhuma bicicleta, em vez disso encontram-se carros estacionados. Assim foi e assim sempre será, isto porque a pista é considerada propriedade da UA e só com autorização desta é que a policia lá pode ir autuar os automóveis infratores. Ora a UA nunca autorizou ou muito menos pediu às autoridades competentes para lá irem, quando todas as semanas estão a 50 metros da pista, no cruzamento do ISCAA.

Esta atitude só demonstra a hipocrisia das nossas instituições. Faz-se uma pista de velocípedes (com pouca utilidade, diga-se de passagem), para cumprir uma qualquer lei, ou para inglês ver, quando de antemão já se sabia que viria a ser parque de estacionamento! Muitas vezes, de manha, está ainda o parque de estacionamento vazio e a pista cheia de automóveis.

Resta-me dizer que mais valia não haver pista e lugares de estacionamento, porque os carros chegam a tapar as passagens para as cadeiras de rodas, e eu sei porque tinha uma na minha turma!

2 comentários:

Lúcio Amorim disse...

A forma do verbo 'haver' não se escreve 'À', mas sim 'Há'.
Não é 'autoar', mas sim 'autuar'.
Onde está 'menso', suponho que deveria estar 'menos'.
Já para não falar de 'istituições' e 'compouca'.
Mas a melhor de todas é mesmo os 'carros chegam a tapas'.
No meio disto tudo, a minha pergunta é: o que raio é que tu andas a fazer na Universidade?
Venho aqui de vez em quando porque gosto de acompanhar todos os espaços de pendor nacionalista, mas pessoas como tu representam tudo o que está mal no rosto público da causa. Não custa nada ter um bocadinho de cuidado e atenção com a apresentação gráfica e sobretudo com a linguagem. Se tens dúvidas, consulta um dicionário. Se ainda tens dúvidas, procura esclarecê-las com alguém. E relê sempre aquilo que acabas de escrever, pelo menos uma vez.
A Língua Portuguesa faz parte do nosso legado, e quem a achincalha, por muito boa vontade que tenha, acaba por fazer parte do problema e não da solução.
Quem escreve de uma perspectiva nacionalista para um público, por reduzido que esse público seja, tem uma responsabilidade que não deve ser encarada de ânimo leve.

Irredutível disse...

Quanto a lingua, assumo o erro em algumas palavras, mas outras tratam-se de erros de escrita no computador. não tenho culpa de ter os dedos grossos e as teclas serme tão pequenas, e assumo que não li devidamente o que escrevi. estou aqui também para aprender, o meu maior erro seria não corrigir a minha escrita. obrigado pelas observações, e acrescente dizer-lhe que até fui o melhor a português do meu curso, portanto algo anda muito mal com o nosso ensino.

Eu ando numa universidade onde a maior parte dos alunos não sabe quem foi Sá Carneiro (como se viu numa conversa de hoje) por isso eu que lá ando todos os dias deveria fazer essa pergunta a muitos outros e não a mim próprio...