19 outubro 2006

Teatrocracia

A preceito da ocupação do teatro Rivoli, no Porto, escreveu um conhecido membro da blogosfera:

Como era de prever, continua a arrastar-se penosamente o espectáculo no Rivoli.Para usar a acertada terminologia de Rui Rio há uns tempos atrás, assistimos a uma notória coligação entre subsidiodependentes e fretes jornalísticos.

Com espantosos reforços a nível ministerial, com uma Ministra a atiçar as hostes e a proclamar, simpaticamente, que estamos perante um protesto original e inovador (ao que pode chegar a politiquice). No mesmo dia foi mandada a polícia para acabar com a acção de um grupo de pais numa escola de Benfica (haviam fechado o portão a cadeado reclamando por melhores condições de segurança - actuação que um porta-voz governamental classificou de terrorista).Não devemos estranhar, a verdade é que vivemos numa teatrocracia (não inventei, quem assim o disse foi o Prof. José Adelino Maltez na edição de hoje de "O Diabo", que li pela manhã).

O assunto em si, para qualquer dona de casa com senso comum, não merece sequer discussão. Segundo os números oficiais, o Teatro Rivoli funciona à custa de uma despesa diária que ronda em média os 1500 contos, em boa moeda antiga. As suas receitas próprias geram montantes que cobrem 6 % (seis por cento) dos seus custos, e o restante é coberto pela Câmara do Porto. Ou seja, 94 % (noventa e quatro por cento) do dinheiro necessário para aquilo abrir as portas todos os dia vem directamente dos bolsos dos contribuintes. Acrescente-se ainda que a média de espectadores por espectáculo é de 30 pessoas. O pessoal empregado atinge as 42 pessoas. Mais umas dezenas são os ligados à actividade teatreira propriamente dita.
São precisos uns milhões de euros por ano para manter o "status quo".

Palavras para quê? Só se fosse para falar sobre o desmesurado poder de certos lóbis que são até capazes de pôr ao seu serviço as finanças públicas contra as mais elementares regras de boa administração.

By Manuel Azinhal em O sexo do anjos

O estado, ou seja, nós, os contribuintes, não podemos continuar a sustentar parasitas. Para esses à uma solução: escoamento de fossas. Vamos trabalhar em prol do futuro do país.

A propósito destes dados permitam-me fazer umas contas:
1500 contos x 365 dias = 547.500 contos por ano que custa a manutenção do Rivoli, dos quais 514.650 contos são suportados por todos nós (os tais 94%) são aproximadamente 460 ordenados minimos anuais.

Por outro lado:
30 espectadores por dia x 365 dias = 10950 espectadores por ano
Para além do que pagam para assistir ao espétaculo (as receitas próprias) custam 47 contos ao estado (mais de metade de um ordenano minimo mensal)
Pagam 3 contos por espetaculo (preço médio de uma peça de teatro). Este é o único número que achei normal nas contas que fiz.

Ir ao Rivoli levanta a moral, porque pagamos 15€ pelo bilhete mas o estado gasta mais 235e para equilibrar as contas, o que nos podia fazer pensar: o que o estado faz por mim, vivo no melhor país do mundo!...

Mais umas contas:
Na cidade do Porto moram sensivelmente 250 mil pessoas. Acredito que a maior parte dos espectadores foram mais que uma vez ao Rivoli, a maior parte deles deve ter assitido às peças todas, mas numa estimativa amigável 5000 pessoas foram ao Rivoli. Portanto 2% dos habitantes da cidade do Porto frequentam o Rivoli. isto para não falar dos concelhos limitrefes, com muito mais população (público alvo)...

3 comentários:

wxyz disse...

cultura???????????????

Aqueles gajos?????????????

Só se for de haxixe.

Fo... vão cortar mato para as matas para as proteger do fogo do verão

André disse...

é uma desgraça...
é preciso pensar nestes números para perceber a verdadeira dimensão das coisas...
diz o porta voz : " tavamos nós a dormir muito bem, e vem um batalhão tirar-nos daqui para fora! com grande aparato ". é para rir...enfim..viva o desperdício! e À gestão das contas públicas!

Elise disse...

Privatizem já!!!!!!!!